A história do famoso letreiro de Hollywood

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pocket
letreiro de hollywood

O letreiro de Hollywood – ou Hollywood Sign, no idioma original – é um marco da região, considerada a capital da sétima arte. Impossível ver aquelas famosas letras brancas e não pensar nas estrelas de cinema, nos palcos de teatro e nas superproduções americanas. Localizado no Mount Lee, letreiro já se tornou um ponto turístico. E a sua curiosa história é mesmo digna de filme.

O lançamento

No início, as letras foram erguidas apenas para divulgar as vendas de um condomínio inaugurado na cidade. Construído por H. J. Whitley, ainda na década de 20, o letreiro dizia HOLLYWOODLAND. Afinal, esse era o nome do novo loteamento residencial no distrito de Hollywood, em Los Angeles.

Localização

As letras ficam no lado sul do Monte Lee, localizado no Parque Griffith. O terreno é áspero e íngreme, de difícil acesso. Além disso, existem várias barreiras proibindo que qualquer pessoa não autorizada se aproxime. E não dá para burlar a segurança. O letreiro é fortemente vigiado pela polícia!

Suicídio de Peg Entwistle

Infelizmente, o sinal está ligado a um evento trágico. Em setembro de 1932, a bela atriz Peg Entwistle saltou da letra H, e faleceu. Peg nasceu no País de Gales, no Reino Unido. Ainda criança, mudou-se para os Estados Unidos com a família. Peg se tornou uma atriz de Hollywood, mas alcançou notoriedade mesmo após o seu suicídio.

Hollywood Sign

O distrito de Hollywood, em Los Angeles, acabou se estabelecendo como o reduto das estrelas do cinema. A expansão do cinema norte-americano transformou a região em um símbolo da sétima arte, assim como as notórias letras, que apareciam em diversos filmes.

A prefeitura resolveu deixar o letreiro no local, de forma permanente. Só que ele tinha sido projetado para durar 18 meses e, durante várias décadas, não passou por nenhuma reforma. Abandonado, o letreiro começou a se deteriorar. Quase chegou a ser destruído em 1939, por causa do seu estado decadente. Foi no ano de 1949 que a Câmara de Comércio resolveu recuperar o monumento. As quatro letras finais, que formavam a palavra “Land”, foram retiradas, para descaracterizar o anúncio.

A reforma nos anos 70

Mesmo tendo sido recuperado na década de 40, o letreiro foi deixado de lado e acabou se deteriorando mais uma vez. Nos anos 70, ele chegou a perder uma das suas letras O, e a metade de outra. Ficou escrito “HuLLYWO D”.

Houve uma comoção para que as letras fossem reformadas, e vários doadores famosos contribuíram para o projeto. Entre eles a Warner Bros Records, o editor Terrence Donnelly e os cantores Andy Williams e Alice Cooper, que fez uma doação em memória de Groucho Marx. Hugh Hefner, criador da revista Playboy, contribui com a reforma do letreiro tanto na década de 70 quanto no projeto mais recente, em 2010.

Curiosidades

Ao longo dos anos, o letreiro passou por algumas transformações, para homenagear visitantes e datas especiais, incluindo eventos políticos e esportivos.

Em setembro de 1987, quando o Papa João Paulo II foi a Los Angeles, as letras foram arranjadas para mostrar a palavra HOLY WOOD, que poderia ser traduzida como “terra sagrada”. Já em abril de 1987, as letras exibiam FOX, para promover a rede de televisão com o mesmo nome. Durante a Guerra do Golfo Pérsico, o letreiro mostrava OIL WAR, que significa “guerra do petróleo”.

Desde a sua criação, o letreiro tem aparecido em diversas produções do cinema. Além dos filmes, as letras brancas de Hollywood já marcaram presença em desenhos animados, como Shrek 2, e séries de TV. Em Os Simpsons, a cidade de Springfield, onde moram Homer e sua turma, tem o seu próprio letreiro inspirado no de Hollywood.

Gostou do post? Então faça seu comentário e compartilhe!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pocket
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Ricardo Gonçalves

Ricardo Gonçalves

Leave a Replay

falta um passo para

inovação