Conheça melhor as famílias tipográficas para seu logotipo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pocket

A escolha da fonte para o letreiro de uma loja pode ser mais complexa do que normalmente imaginamos. Além de termos que escolher entre as várias opções disponíveis, devemos nos atentar também para o desenho da tipografia, uma vez que ele também detém significado. Para auxiliar neste processo de escolha, vale a pena conhecer as categorizações de famílias tipográficas. Mas o que é isso, afinal?

Famílias Tipográficas

Este é o nome dado aos conjuntos de fontes com características estilísticas semelhantes. Essas fontes se diferenciam uma das outras no que diz respeito a variações de largura, altura e espessura, por exemplo, mas sempre conservando pontos em comum. As categorizações bold (negrito), light (claro), regular e itálico também são elementos de diferenciação. A divisão mais comum de famílias tipográficas as diferenciam em sete tipos. Vamos conferir um pouco sobre cada uma delas?

Família Gótica

Datado de 1450, esse grupo tipográfico teve como base os estilos de caligrafia usados na Idade Média, mais especificamente na reprodução de livros religiosos. São extremamente complexos, apresentando um desenho que se preocupa mais com a ornamentação do que com a facilidade de leitura. Após 500 anos de uso quase intensivo, essa família foi praticamente abandonada justamente pela sua dificuldade de reprodução.

Família Romana

Como o próprio nome sugere, essa família tipográfica foi inspirada nas inscrições encontradas em ruínas romanas. Com o passar do tempo, elas foram se desenvolvendo e modificando, mas até a hoje apresentam características intrínsecas, como a presença de serifas esticadas e arredondadas.

Família Romana de Transição

Obviamente desenvolvido a partir da família anterior, este estilo surgiu da fusão de várias tipografias. Elas continuam apresentando serifas, porém não mais arredondadas e sim retas. Outra característica é a presença de ângulo acentuado quando na união entre haste e serifa.

Família Cursiva

Carregada de elementos de manuscritos italianos, esta família tipográfica se aproxima muito do que hoje conhecemos como “letra de mão”. Na tentativa de imitar a caligrafia natural do homem, esse tipo normalmente se apresenta em formato itálico.

Família Latina

Com um contraste mais acentuado entre as hastes, essa família tipográfica tem grande influência das famílias romanas. O que a diferencia, na maioria das vezes, é a terminação de sua haste que, ao contrário das outras, se encerra de forma mais retilínea.

Família Egípcia

Perceptivelmente, esta família tipográfica se origina das inscrições egípcias esculpidas nos templos e pirâmides. Ela apresenta serifas extremamente retangulares e espessas, fatores determinantes para sua diferenciação.

Família Grotesca

Criadas a partir da década de 1990, com o advento da computação, estes tipos são mais modernos e não apresentam serifas. Com letras bastão, elas normalmente são encontradas em variações bold, italic, light e regular.

Família Fantasia

Com uma diversidade de fontes surgindo para atender aos interesses do mercado gráfico e também da web, uma nova família precisou ser criada para englobar todas as criações que não se encaixam facilmente nas classificações já apresentadas. Assim, criou-se a Família Fantasia, que une tipografias misturadas, ornamentadas e icônicas.

Você costuma fazer um estudo de famílias tipográficas antes de definir qual fonte se adequa melhor às suas necessidades? Conte-nos sua experiência nos comentários e compartilhe este conteúdo nas redes sociais!

Famílias tipográficas - Criação e Design

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pocket
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Ricardo Gonçalves

Ricardo Gonçalves

Leave a Replay

falta um passo para

inovação