Marketing de aquisição e relacionamento: entenda por que isso é importante

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pocket
marketing de aquisição e relacionamento

O marketing de aquisição e relacionamento diz respeito à forma como o cliente vê sua marca. Isto é muito importante para determinar qual sua impressão como vocês se relacionam.

O mercado tem se tornado mais competitivo a cada dia, independentemente do setor. Sempre há alguém dominando com larga vantagem — ou com muita concorrência a vencer para conseguir algum lucro.

Para ter uma chance de conquistar um espaço na mente do seu público-alvo, é preciso compreender algumas coisas: não basta oferecer os melhores produtos, nem mesmo os melhores preços: o que importa é a experiência.

Continue a leitura e descubra como melhorar sua estratégia, adquirir mais clientes e fortalecer seu relacionamento com eles!

Afinal, o que é marketing de aquisição e relacionamento?

Para conseguir entender melhor do que se trata essa estratégia, podemos usar como referência os relacionamentos amorosos.

Para que eles aconteçam, existem alguns pontos que são sempre levados em consideração:

  • aparência (percepção)
  • inteligência (qualidade)
  • surpresa (satisfação)
  • bom humor (cativar), dentre diversas outras características que fazem a diferença na hora da conquista.

Quando trazemos essa analogia para o mundo dos negócios, é exatamente essa análise que seus clientes fazem da sua empresa. Quanto maiores forem os benefícios de ter um relacionamento com sua marca, maiores as chances de conquistá-los.

Como funciona essa estratégia na prática?

Para chamar a atenção daqueles clientes que “fazem o tipo” do seu negócio, o ideal é que você se torne aquilo que eles mais desejam, no momento que precisam e com uma oferta irrecusável. Confira 3 passos importantes para não errar:

Primeiro passo: design (aparência)

É muito importante que sua identidade visual seja completamente direcionada para transmitir os valores da empresa, e que consiga chamar a atenção do seu público-alvo.

Aqui, a questão não é fazer algo espalhafatoso, que seja visto à distância, mas sim usar formas e cores que sejam especialmente bem vistas pelos seus atuais e futuros clientes.

Você já deve ter passado por uma situação em que, ao olhar para duas lojas vizinhas, ambas com o mesmo tipo de produto, aquela com a fachada mais bonita foi a que conquistou sua atenção. Isso porque a comunicação visual é a melhor primeira impressão que você pode passar.

Segundo passo: qualidade

Após conseguir captar a atenção e um voto de confiança do seu cliente, não deixe que ele se decepcione: ofereça a melhor experiência possível, para levá-lo a ter certeza de que realmente fez a melhor escolha.

Terceiro passo: disponibilidade

Quando o cliente sai da loja — após contratar seu serviço ou adquirir algum produto —, ele passa a ser seu parceiro, e deve continuar sendo tratado com a devida importância.

Por isso, certifique-se de que seu setor de atendimento seja impecável e jamais permita que um cliente fique insatisfeito. Esteja sempre disponível, seja esclarecendo eventuais dúvidas ou oferecendo novos itens que possam otimizar a sua.

Quais os benefícios do marketing de aquisição e relacionamento?

Os benefícios para os negócios que aplicam essa estratégia com sucesso são inúmeros, mas podemos simplificar em uma palavra: lealdade.

Clientes satisfeitos tornam-se mais que clientes: eles têm orgulho de dizer que são clientes da sua marca, fazem questão de indicar para seu círculo social e dificilmente te trairão com a concorrência.

E então, o que achou dessas dicas? Conseguiu entender melhor o que é e para que serve o marketing de aquisição e relacionamento? Deixe seu comentário abaixo!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pocket
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Ricardo Gonçalves

Ricardo Gonçalves

Leave a Replay

falta um passo para

inovação